Como escolher roupas de qualidade | Série: Em Busca do Guarda-Roupa Perfeito | Pt. 4

Quem está acompanhando a jornada de auto conhecimento que estamos propondo nessa série de textos carinhosamente batizada de “Em Busca do Guarda-Roupa Perfeito” certamente já tirou várias peças do guarda-roupa que nele habitavam sabe-se lá porquê. E agora que você já entende o impacto da moda no planeta e como comprar deve ser um processo consciente e planejado, chegamos em um ponto bem importante, que é: escolher novas peças para fazerem parte da sua vida.

O ideal é planejar o que você vai comprar. Se você não tem tanta pressa, a dica que super funciona é fazer uma lista com as peças de roupa que tu precisa, e aguardar um mês. Se durante esse mês você sentir falta dessa peça várias vezes quando for se vestir, pode anotar ela na sua lista de compras. Procure ser bem específico nessa lista, em vez de apenas ‘calça’, é melhor anotar ‘calça de moletom preta para ficar em casa’ , por exemplo.

É importante ter uma noção de modelo, tecido e cor da peça que tu precisa, para ela fazer sentido com o resto das peças que tu tem. Uma proporção legal de pensar é: 3 partes de cima para cada parte de baixo.

Bolamos uma lista com perguntas bem necessárias pra quem tá nesse processo de montar um guarda-roupa mais consciente.

Antes de Comprar:

// Onde eu vou usar?

// Com o que eu vou usar?

// Por quanto tempo vou usar?

// Estou prejudicando algo/alguém com o consumo desse produto?

Ok, preciso comprar. E agora?

Como nosso objetivo é fazer esse momento de compras um processo consciente, comece fazendo uma pesquisa e listando marcas que tu gosta e que tenham um posicionamento parecido com o teu. Vale criar uma pastinha no Instagram e ir salvando lá. Mas sabemos que marketing não é tudo né. Nem preço. Por isso listamos alguns itens que devem ser observados na hora da compra, para escolher peças que durem mais e façam valer teu investimento.

1 – Modelagem, Caimento e Conforto:

Palavra de especialista, a Gabi Basso (criadora da marca, pra quem não conhece) dá a letra:
“Nada como provar a peça e se olhar com cuidado para analisar o caimento. Peças cortadas em grandes quantidades podem correr o risco de ter o fio do tecido (sentido no qual ele é cortado) deslocado, e isso só se percebe quando a peça é vestida, então, se estiver provando uma calça, por exemplo, dê uma caminhada pela loja e, caso a costura lateral comece a ir para frente/costas é sinal de que este problema ocorreu na produção. Isso é bem comum em calças jeans, por exemplo.”

Já provou uma peça que serviu como uma luva, tudo ficou no devido lugar e nem parece que tá tu vestida quando se movimenta? A modelagem é a responsável por isso. Não basta uma roupa ser bonita no cabide, ela precisa ficar bonita no corpo também. Por isso, quando provar uma peça que sentir que algo está estranho, pense melhor antes de comprar. Também vale dar umas voltas na loja, agachar, fazer alguns movimentos corriqueiros para ter certeza de que essa peça vai te favorecer e não te limitar.

2 – Tecido:

Você tem o costume de ler a etiqueta da peça antes de comprar? Pois é, esse não é um hábito muito comum. Segundo a Gabi, “a qualidade de uma peça sempre começa pelo tecido escolhido. Tanto tecidos de fibras naturais como tecidos sintéticos possuem opções de alta e baixa qualidade. Por vezes o cliente não tem conhecimento aprofundado sobre como analisar essas diferenças, e nem tem obrigação, claro, então eu sugiro que a pessoa preste atenção no toque do tecido sobre a pele (se a agrada) e, na hora de provar, se ele cai de forma bonita no corpo e para o tipo de modelo em questão. Esse olhar se constrói com o tempo, então nunca hesite em questionar as/os vendedores sobre detalhes do tecido como composição, transpiração, manutenção e o que for importante para ti.”

Vale também investigar as tuas peças favoritas, descobrir de que tecido são feitas e entender quais são os teus preferidos.

3 – Construção e Acabamento:

Bons acabamentos não só deixam a peça esteticamente mais elegante, como garantem maior durabilidade. Não tenha vergonha de olhar as peças pelo avesso, para ver como as costuras estão acabadas, olhar as bainhas, o tipo de forro, a colocação dos zíperes e os encontros nas costuras no caso de peças estampadas. A Gabi fez até uma listinha de pontos que devem ser observados na hora de escolher uma peça:

  • Peças com tecidos finos e transparência, por exemplo, devem ter costura francesa/embutida, que esconde a linha.
  • Calças e saias de alfaiataria ganham pontos quando os acabamentos internos são “limpos” com viés, o que, inclusive, deixa a peça mais charmosa.
  • É bom observar nas casinhas de botões e costuras internas se a peça está limpa, ou seja, se não estão sobrando fios ou se a costura está apertada demais, enrugando o tecido.
  • Zíperes devem ter as limpezas certas para cada modelagem e é sempre bom testar abrir e fechar ele algumas vezes para o caso de emperrar.
  • Peças estampadas são maravilhosas, mas se não foram cortadas e costuradas por pessoas dedicadas e cuidadosas, o que exige tempo e, consequentemente, dinheiro, muito provavelmente terão desencontros dos padrões nas costuras. Algumas peças não permitem encontros perfeitos e algumas estampas não exigem tanta precisão, mas em padrões como listras, por exemplo, faz toda a diferença.

4 – Durabilidade:

Sabe aquele casaco que era da tua vó, passou pra tua mãe e hoje tu usa? Então, peças assim ainda existem. A gente entrou num ciclo vicioso e veloz onde o tempo de uso de uma roupa tá cada vez menor, seja por comprar peças muito específicas que tu acaba enjoando, ou de baixa qualidade que estragam rápido. Além de escolher tecidos duráveis, a manutenção influencia muito na durabilidade de uma peça, já que cada lavagem reduz a vida útil de uma peça de roupa.

A dica aqui é sempre olhar a etiqueta da peça, ela vai te informar a melhor forma de ser cuidada, mas para além disso, segue mais uma listinha com algumas dicas e cuidados:

  • Um blazer ou um sobretudo, por exemplo, só devem ser lavados de fato, no caso de manchas ou se algum odor realmente tenha ficado impregnado, se não, uma arejada está mais que bom.
  • Peças de alfaiataria, em especial, tem estruturas internas que sofrem em contato repetido com a água e produtos de limpeza o que pode ir desgastando a forma da peça. Ou seja, lave as peças só quando for realmente necessário ou somente nas áreas “afetadas”, por exemplo, uma camisa: de repente tu suou um pouco nas axilas durante o dia. Quando chegar em casa, pode lavar a mão somente neste local, pendurando a camisa para secar e arejar em um cabide, evitando manipular punhos e gola desnecessariamente.
  • Peças delicadas, como vestidos e blusas em tecidos leves, devem sempre ser lavadas a mão e secadas penduradas.
  • Calças de alfaiataria, para que mantenham sua forma, devem ser passadas com atenção para o friso e cós, sempre usando sapatas adequadas no ferro ou um tecido para proteger.
  • Peças estruturadas como blazers e corpetes devem sempre ser levadas a uma lavanderia quando se fizer necessária uma lavagem mais intensa.

Além da lavagem cuidadosa, a forma como guardamos determinada peça interfere muito na durabilidade. Blazers e casacos devem ser guardados pendurados em cabides que suportem adequadamente a estrutura dos ombros. Peças em malha devem preferencialmente serem guardadas dobradas, pois o cabide pode marcar os ombros da peça, assim como peças muito pesadas, que quando penduradas podem esgaçar o tecido. O segredo é evitar a fricção entre as peças, colocando elas em sacos individuais ou com folhas de papel seda entre elas.

5 – Preço:

E será que preço é sinônimo de qualidade? Comprar uma peça cara é garantia de ela vai durar anos? Lançamos essa pergunta pra Gabi, que respondeu com toda a sinceridade:
“Eu não acredito que seja. O mercado de moda é bastante concorrido e tudo que envolve a divulgação de marcas de moda costuma ser bastante caro. Para se destacar, uma marca que já tem um alcance significativo e trabalha com venda para lojistas, deve investir pesadamente em propagandas que envolvem a contratação de modelos, fotógrafos, maquiadores, stylists, etc. Algumas marcas também fazem desfiles que são caríssimos. Tudo isso tem que ser recuperado na venda das peças e o que acontece, não com todas, mas com muitas marcas com nome estabelecido e que podem cobrar bons preços, é que o dinheiro e o tempo, ao invés de ser investido em melhores modelagens/montagem/tecidos/acabementos/salários justos, é destinado às ações de marketing para convencer a clientela através de campanhas estreladas. Além disso, o sistema com diversos intermediários faz com que o ganho de cada um dos envolvidos deva ser incluído no preço final ao consumidor, que acaba pagando caro não por uma peça de maior qualidade ou tecnologia, mas por causa da celebridade que foi contratada para a campanha e pelo número de mãos pelas quais aquela peça passou. É um sistema que eu tenho muitas críticas sobre, pois entendo como uma dissimulação do consumidor que acha que está pagando qualidade, quando está pagando ilusão/status.

Bastante coisa a ser considerada, não é? Mas fica tranquila, com a prática e o tempo tua habilidade de reconhecer peças de qualidade vai só melhorar. No
Esperamos que esse texto te ajude a fazer escolhas mais assertivas e duradouras <3
Ficou com alguma dúvida? Manda pra gente, vamos adorar conversar mais sobre isso.

Boas compras!

2 respostas em “Como escolher roupas de qualidade | Série: Em Busca do Guarda-Roupa Perfeito | Pt. 4

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *